7 Minutos Depois da Meia-Noite


(2016/1h 48m/ Drama/Fantasia)

Elenco: Sigourney Weaver, Felicity Jones, Toby Kebbell, Lewis MacDougall, Liam Neeson

Direção: J. A. Bayona

Nacionalidade: Espanha/Estados Unidos/Reino Unido

Sete Minutos Depois da Meia-Noite, à primeira vista pode parecer um filme de fantasia infantil, mas na verdade ele possui interpretações que podem facilmente serem trazidas para os nossos conflitos da vida adulta, vamos à dica dessa semana leitoras!


Conor (Lewis MacDougall) é um garoto de 13 anos vítima de "bullying" na escola, seu pai (Toby Kebbell) é muito ausente ele é muito apegado à mãe (Felicity Jones) que, está com uma doença bem grave. Sua avó (Sigourney Weaver), com quem não tem muito contato vem à sua casa para leva-lo para morar com ela, uma vez que sua mãe está muito debilitada, e por vezes quem acaba cuidando dela é o próprio Conor, relutante ele não aceita bem a situação e acaba tenho muitos conflitos com sua avó. Conor acaba convocando um monstro em forma de árvore (voz de Liam Neeson) que aparece sempre sete minutos depois da meia-noite, essa árvore, um Teixo, lhe conta três histórias com a condição de que a quarta história seja contada por Conor.


Podemos ver que as histórias que a árvore conta sempre nos deixa a reflexão sobre quem é o mocinho e quem é o vilão, e na complexidade das situações confesso que não consegui julgar ou acusar ninguém nas histórias contadas pela árvore. Na vez de Connor contar sua história vemos que a verdadeira “missão” do Teixo era libertar Connor do peso que era conviver com a perda certeira da sua mãe, sua história era na verdade um pesadelo onde ele sempre acordava antes do final, pois não conseguia soltar a mão da sua mãe que estava caindo à beira de um precipício. No final das contas, o Teixo o faz ter que decidir se Connor solta a mão de sua mãe ou cai do precipício com ela.


O filme deixa uma profunda reflexão sobre a vida, as perdas, e as dificuldades por vezes inevitáveis que o destino nos traz, há coisas que precisam ser ditas, vivenciadas, e que depois de termos que vivenciar essas dificuldades, sentimos um alívio e uma sensação de liberdade. Ás vezes a dor da nossa história nos prende em uma realidade dolorosa, que tentamos esconder com sentimentos ruins, raiva, dor, solidão, mas a partir do momento que nos libertamos e olhamos para nós e nosso destino com compaixão e amor conseguimos aceitar e ficar em paz. Um filme infanto-juvenil que dá uma lição de vida com muita coerência e de uma forma lúdica.



23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo