A Cura na visão sistêmica



Olá, queridas pessoas.


Desejo que você estejam bem, se cuidando em todos os sentidos.


Neste artigo em homenagem ao Outubro Rosa, mês dedicado a prevenção do câncer em nós mulheres, quero falar da cura na visão sistêmica. Neste mês é enfatizado o cuidado que devemos ter com a nossa saúde física, psicológica, mental e emocional para que a saúde

prevaleça na nossa vida.


É natural quando adoecemos olharmos primeiro para o nosso corpo, pois é nele que buscamos alívio. Muitas vezes esquecemos de olhar para nossa alma, nossos sentimentos porque não entendemos o quanto eles tem um papel importante na cura e devem ser tratados de uma forma boa.


Bert Hellinger, o pai da Constelação Familiar, nos fala que a cura segue o mesmo caminho da doença, começa no nosso íntimo e passa para o corpo. Com essa frase ele também nos diz que a cura também nasce dentro da gente e vai para o corpo. Mostrando a importância de olharmos para a origem daquilo que nos adoece, aquilo que está lá no nosso íntimo.


Mas o que nos faz adoecer na visão das Constelações Familiares?


Primeiramente quero dizer que a Constelação Familiar não tem a intenção de substituir os

métodos de tratamento e aconselhamento, ela é uma terapia breve complementar. Mas quando procedimentos usualmente eficazes não proporcionam o resultado desejado ou

esperado, olhar para o quadro de fundo multigeracional da família abre novas possibilidades adicionais para a cura.


Sthefhan Hausner, médico constelador alemão nos diz que: nossa vida e nossa felicidade são marcadas pela atitude que adotamos diante de nossos pais e a história da nossa família.


Quando nos defendemos ou nos recusamos a reconhecer o que nos pertence, muitas vezes

somos lembrados, por uma doença ou um sintoma, daquilo que excluímos.


Com essas palavras podemos entender que a doença surge para incluírmos algo ou alguém

que excluímos do nosso sistema familiar, por exemplos: uma pessoa que nos causou dor ou

um acontecimento que trouxe dor para o sistema familiar. Porém, poucos são os pacientes

que conseguem inicialmente perceber uma relação entre sua doença e sua família, ou

reconhecer a influência que eles próprios exercem sobre sua doença. Nesse particular, as

constelações fornecem-lhe importantes pontos de apoio.


Sobre isto, Bert Hellinger, afirma que: Tudo aquilo que me lamento ou queixo, quero excluir.

Tudo aquilo a que aponto um dedo acusador, quero excluir. A toda pessoa que desperte a minha dor, estou a excluí-la. Cada situação em que me sinto culpado, estou a excluí-la. E desta forma vou ficando cada vez mais empobrecido.


Ele ainda nos aponta o início do movimento da cura quando diz:

O caminho inverso seria: a tudo que me queixo, fito e digo: sim, assim aconteceu e integro-o em mim, com todo desafio que para mim isso representa. E afirmo: irei fazer algo com o que me aconteceu. Seja o que for que tenha me acontecido, tomo-o como uma fonte de força. É surpreendente o efeito que se pode observar neste âmbito.


Ânima mulher, sintonize-se com sua família e sua história assim poderás assumir sua vida em

plenitude e transmiti-la na frequência da saúde física, mental, psicológica e emocional.



56 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo