Desapegando com consciência


Olá amadas leitoras, é uma alegria estar aqui com vocês novamente, podendo compartilhar minhas experiências.

Acredito que todas vocês já ouviram um dia estas frases: “Arruma essa bagunça se não vou jogar tudo no lixo!”, “Pode dobrar bem direitinho e por no lugar.” Frases que ouvi muito na minha infância... coisas de mãe zelosa que acompanha seus filhos, hoje me vejo fazendo o mesmo com minha filha. Faz parte da missão da mãe poder trazer disciplina a seus filhos. Agradeço minha mãezinha por ter me ensinado isso.

Em nosso artigo anterior falamos sobre métodos de organização e como começar a fazer o destralhe em nossa casa. Hoje, vamos fazer juntas o destralhe em nosso closet, estão dispostas? Então vamos lá, temos muito trabalho pela frente.

Vou falar como eu fiz e faço constantemente, pois venho praticando o desapego já há algum tempo e podem ter certeza, sempre há espaço para melhorar ainda mais.

Para iniciar retiro todas as peças do meu closet e separo da seguinte forma:

● Peças velhas demais: aquelas que já estão desbotadas, rasgadas, que perderam o elástico = lixo

● Peças que não uso: por não gostar do tecido, do modelo, ou da estampa, ou por não combinarem mais com meu estilo de vida ou que simplesmente já enjoei, não quero mais usar = doação ou venda em grupos de desapega ou brechós

● Peças que precisam de ajustes: fazer a barra, ajustar, trocar um zíper = consertos (costureira)

Depois, começo a experimentar peça por peça daquelas que ficaram e faço uma análise bem criteriosa. Verifico se serve direitinho, se não está larga ou justa demais, se gosto da estampa ou da cor, se realmente me sinto bem usando aquela peça.

Segundo a minha Consultora de Imagem, Priscila Previato, que faz parte do nosso portal Sra. de Si e sempre vem trazendo dicas de modas e estilo, não devemos usar roupas largas ou justas demais, isso desvaloriza nosso corpo. E podem acreditar, depois que fiz minha consultoria com ela, mudei minha forma de enxergar as minhas roupas, recomendo, fica a dica.

Mas, vamos lá.

Se a peça está grande, analiso se vale a pena levar para ajustes. Penso no valor que paguei naquela peça, o valor que terei que investir com ajustes e o quanto realmente gosto dela. Racionalmente, pois, mesmo que goste preciso analisar se vale a pena o investimento. Se perceber que sim, eu amo aquela peça, então invisto para poder continuar com ela, caso contrário, desapego. Se for apenas um botão, um zíper, uma barra, coisa simples, fica mais fácil consertar, mas lembre-se você não deve voltar para o closet sem que esteja consertado, Combinado? Assim, vai para a sacola de consertos.

E aquelas peças que estiverem justas, apertadas, pequenas, me pergunto à quanto tempo essa peça está ali me esperando?

Fiquei durante muito tempo guardando roupas que eu tinha antes de casar e ter filho, todas aguardando eu emagrecer. Até que um dia, fazendo esse desapego consegui encarar a realidade e percebi o quanto olhar para aquelas peças me despertavam sentimentos de frustração, fracasso e tristeza. Decidi não querer mais estar no passado e sim, viver o presente. Quem eu era antes de casar e engravidar não é mais quem sou hoje. A vida nos transforma e transforma também o nosso estilo e até mesmo nosso corpo. Mesmo que eu volte a ter aquele corpinho e, posso continuar batalhando nisso, quando chegar irei querer roupas novas, não é mesmo? Não adianta você guardar aquele terninho caríssimo que você comprou no século passado quando trabalhava em um escritório de advocacia, sendo que atualmente você trabalha em uma academia. E só de olhar para aquele terninho te dá ranço. Entende?

Outra coisa que você pode fazer é olhar para as roupas que você está desapegando e analisar o porquê você comprou aquela peça. Foi por ter gostado da cor? Por ter gostado do modelo? Porque estava na promoção, quis aproveitar? Você gostou da estampa quando estava no manequim da loja e agora percebe que em você não combina aquela estampa? Ou você ganhou de alguém que você ama, mas você não gostou daquilo, não faz seu estilo?

Uma dica importante. Quando é um presente ganho você pode pensar assim: A intenção foi alcançada? Ou seja, o fato de a pessoa ter lembrado de te presentear é o que mais importa, não é mesmo? Mas você não é obrigada a usar uma coisa que não combina com você e não te faz se sentir bem. Concorda? Então, desapega, retirar esta peça não vai fazer você se desfazer da pessoa e da amizade e amor que tem por ela. Organizar a mente lembra? Cada coisa em seu lugar.

Feito isso, você vai poder perceber o que está faltando em seu closet. Eu por exemplo, vi que só tinha blusas estampadas e que quando precisava de uma lisa para compor com uma saia ou calça estampada eu não tinha opções. Ou seja, pude identificar o que realmente eu precisava comprar.

Destralhar é um processo contínuo e que nunca ficamos prontas, sempre teremos algo para aperfeiçoar. Mas, agora consigo perceber melhor meus impulsos e saber tudo o que tenho em meu closet e quando vou as compras procuro lembrar do que já tenho e se aquela peça que gostei e estou querendo comprar vai combinar com o que já possuo. Isso é economia. Nós temos a tendência de comprar o que gostamos. Então, não se surpreenda em perceber que têm 06 blusas pretas praticamente iguais. Mas, agora com essa tomada de consciência, já vai saber que NÃO precisa de mais uma blusa preta. Ok ?

Tudo isso que falei acima vale para os calçados, bijus, bolsas, tudo. Faça esta análise criteriosa e desapegue daquilo que não te serve mais.

Lembre-se de agradecer por tudo que te serviu e que cumpriu sua missão em sua vida, nem que tenha sido pra você saber o que não gosta. Tudo isso vai fazer você se conhecer melhor e te dar mais segurança ao comprar.

Quando você conseguir tirar as tralhas, vai sobrar mais espaço para as peças que são importantes para você, que te fazem se sentir bonita e bem apresentável.

Espero ter contribuído para que você faça uma renovação em seu closet, que consiga deixá-lo “respirar”, fazendo com que a energia circule com facilidade e te traga bons sentimentos todos os dias ao acordar e olhar para ele.

Em nosso próximo encontro vamos para o segundo passo para deixar a sua casa definitivamente organizada. Vêm comigo!!!

Uma sugestão, faça uma homenagem a sua mãe: cuide bem de você e das suas coisas. Toda mãe adora um filho organizado. Não é mesmo? E se você é mãe, não se intimide em ensinar seus filhos a serem organizados, essa é nossa função.

Feliz dia das Mães!!

Comenta aqui como essas dicas contribuíram para você.



51 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo