Inspire – Expire – Observe


No artigo anterior, falamos a respeito da meditação ser uma oportunidade de nos colocarmos no lugar de observadoras de nossa mente e que o primeiro passo é observar nossa própria respiração, pra só então dar o próximo passo: aprender a respirar, fazendo deste processo um momento meditativo e curativo.

A forma como respiramos diz muito a respeito de como estamos nos sentindo. Pense por um momento: imagine uma pessoa estressada, como é a respiração dela? Ou com medo, ou raivosa, imagine como elas respiram…? E você? Observou sua própria respiração? Como ela é?

A respiração é uma das nossas funções ligadas ao piloto automático. Ele é maravilhoso e existe para que possamos economizar energia, então processos repetitivos tornam-se padrões e já não precisamos pensar para fazê-los. Outros exemplos: beber e comer (você não pensa: “vou mastigar”, ou “não, e agora engolir”), escovar os dentes, dirigir... entre outros.

A questão é que temos muitas ações cotidianas ligadas no piloto automático e que não estão sendo realizadas de forma saudável. Passamos a agir repetidas vezes dentro de um sentimento de estresse, de ansiedade, de pressa e de medo, promovendo assim um estilo de vida insalubre: adoecem corpo, mente e alma, nos desconectamos de nossa essência que acompanha o movimento tranquilo e compassado da natureza…

Observe como os bebês respiram.

Agora estamos buscando formas de encontrar o caminho de volta, mas para isso é necessário aprendermos a ser nossa própria observadora, nos tornarmos mais presentes em nossas ações: começando pelas cotidianas. Quantas pessoas já nem mastigam mais e sofrem de graves problemas estomacais? Quantas pessoas são displicentes ao volante? Quantas pensam estar escovando os dentes, mas nem sabem mais ao certo como fazer isso?

E voltamos à respiração: quantas pessoas deixam de oxigenar o cérebro adequadamente e bombear vida para todos os órgãos e extremidades do corpo abundantemente por não saber respirar corretamente? Nossa querida fisioterapeuta Camila Schuck nos falou a respeito de uma série de benefícios desta maravilhosa forma de respirar em seu artigo: Vamos Respirar, que vale a pena estudar mais profundamente.

A respiração da prosperidade, da saúde física e mental, é diafragmática, o que chamamos de respirar pela barriga. Vamos ao segundo passo: aprender a respirar, sair do piloto automático desta ação vital e passar a fazê-la com atenção por alguns minutos do dia.

Sempre ao acordar ou antes de repousar, faça desta respiração um hábito. Quando se lembrar dela em outros momentos, a realize e sinta a transformação da sua vibração. Lembra daquele antigo ditado popular “Respire”.

Vamos ao passo a passo:

  1. Escolha uma posição que seja confortável para você: sentado com a coluna ereta ou deitado;

  2. Coloque a mão sobre o abdômen, região acima do umbigo, para sentir a movimentação abdominal durante a respiração;

  3. Inspire pelo nariz contando até quatro. Sinta o ar encher os pulmões e o abdômen subir;

  4. Segure o ar dentro dos pulmões por dois tempos (conte até 8);

  5. Expire pela boca, esvaziando os pulmões e a barriga, contando até quatro novamente;

  6. Repita o processo duas ou três vezes, depois continue respirando pelo abdômen sem contar tempos.

Exercite-se, porque na próxima semana vamos falar a respeito da meditação passiva e contemplativa que podemos fazer através das mandalas. Passo a passo vamos conhecendo este extraordinário processo de autoconhecimento através da arte.



139 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo