Ritmus


Qual a sua relação com o tempo?


Nem mesmo nosso coração bate na mesma cadência e toca a mesma composição a vida toda. Mas tem gente que insiste em querer controlar, ou tem gente que não está nem ligando para esse tal de ritmo que a vida tem.


Na nossa natureza existe um ritmo próprio. Quanto mais harmonizada comigo mesma e com a natureza eu estou, mais esse ritmo se alinha com os ritmos naturais da Terra.


Hoje em dia poucos de nós respeita ou conhece o próprio ritmo. Muitos sequer param para refletir sobre o que é um ritmo saudável, muito menos qual é seu ritmo pessoal.


Voltar a mim, estudar de mim e do meu ritmo me despertou para fazer escolhas mais conscientes a respeito de como eu posso fluir com a vida.


Na prática algumas atitudes me fizeram sair do automático, da rotina desordenada ou da falta de rotina e exercitar esse acordar de mim mesma e me observar todos os dias.


Vou citar algumas das mais significativas:


Parar de tomar pílula anticoncepcional.

Essa atitude que eu decidi tomar para poder liberar meu corpo para ovular novamente teve em mim reflexos muito importantes. Levou alguns anos para que minha mente se desintoxicasse dos hormônios sintéticos que anestesiavam meus pensamentos e por consequência controlavam meu comportamento. Eu renasci para o meu ciclo e comecei uma nova vida. Estar sob domínio da minha natureza selvagem e aprender com meus ciclos lunares me fez descobrir muito mais sobre mim. Hoje eu percebo que na verdade eu estava dormindo para a realidade da minha natureza cíclica e não me permitia sentir os movimentos da lua e das estações no meu corpo por medo.


Outra atitude foi me permitir repouso e pausa. Antes eu achava que tinha que dar conta de tudo. Absolutamente tudo e não era pouca coisa: casa, trabalho, três crianças pequenas, educação escolar em casa, redes sociais ativas, estudo, espiritualidade, atenção com os amigos e familiares e planejamento financeiro. Tudo é muita coisa. Me colocar no meu lugar e fazer apenas aquilo que me proponho sendo mais gentil ao escolher meus afazeres e planejar também as pausas é libertador. Colocar o repouso como prioridade foi um grande presente que eu me permitir dar.


Perceber as fases de transformação dos meus filhos em um ciclo mais amplo me traz paz. Eu vejo o amanhã deles e enxergo o quanto do que estou plantando hoje vai frutificar. Sem criar grandes expectativas, fazendo apenas o que eu posso agora. Já foi o tempo em que me alimentar, dormir e tomar um banho estavam no fim da lista quando sobrasse um tempo. Hoje eu crio uma rotina de exercícios, de meditação e de lazer sem culpa. Eu mereço e minha família merece uma mulher feliz.


Admirar a natureza sempre foi um prazer para mim. Eu só não sabia ainda me conectar a essa natureza a partir de dentro. Eu buscava uma harmonia fora e até certo ponto funcionava. Era terapêutico tomar um banho de cachoeira para recarregar as energias. Agora eu sinto essa conexão de dentro para fora também.

Eu sinto a cachoeira de hormônios me banhando num gozo profundo.

Eu estou aprendendo a me amar num nível mais profundo.


Isso foi a maturidade quem me trouxe.


Se eu tivesse que dar um conselho para mim mesma há dez anos atrás, eu diria:


Não se sabote tanto. Em todos os sentidos. Liberte-se com conhecimento. Não tenha medo de perder o controle. O controle é uma ilusão. Observe sua natureza interna. Não adianta amar a natureza lá fora e não amar aqui dentro. Nós somos uma só.


Como você está vivendo seu ritmo?




16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sou