Sra de Si – Março de 2021


Olá, manas! Como vocês estão?! Eu me sinto alegre e honrada pelo nosso reencontro. Escrevo na data de 21 de março de 2021, ou seja, em pleno novo ano astrológico! Então, feliz ano novo a todas nós! Que possamos renovar nossa fé e esperança em dias melhores, e praticar o amor a si própria cada vez mais e mais consciente.

Fazia uns dias que eu já estava me sintonizando e me preparando para o dia 20 de março porque aqui no hemisfério sul, comemoramos o equinócio de outono.... tempo de preparar a terra para posteriormente, na primavera, colhermos os bons frutos do plantio. Estamos em tempo de iniciar projetos, e também de fazermos uma renovação pessoal, renovação de esperança e de propósitos. O que você deseja renovar?

Pois é, amigas... coincidentemente, o texto que veio para nós esse mês é “As árvores ressecadas” que está no capítulo 12 – A demarcação do território: os limites da raiva e do perdão. Nesse capítulo a autora mostra como a raiva detona o território fértil da psique feminina, e que por outro lado, apresenta a cura que está no perdão.

No conto “As árvores secas”, a autora descreve a história de um homem que vive amargurado e com raiva, e que por conta disso perde entes queridos e amigos. Um dia, esse homem se encontra com um velho sábio. E o homem pergunta: “-Como um dia vou poder ter controle sobre o demônio da raiva?”. O sábio o aconselha a ir para o deserto e oferecer água aos viajantes. Porém, um viajante que passou por ele, zombou da água turva que o homem oferecia. O homem sentiu tanta raiva que matou o viajante ali mesmo. Em seguida, passou um cavaleiro e agradeceu ao homem por ter matado aquele viajante que estava indo assassinar o rei. E naquele momento a água do deserto que era turva se transformou em água cristalina. As árvores ressecadas voltaram a vida e brotaram belas flores.

Na sequência, a autora faz uma interpretação: “Não se trata de uma história sobre assassinatos. Trata-se de uma lição para que não liberemos a raiva indiscriminadamente, mas na hora certa. (...)Oferecer a vida é um impulso inato na maioria das mulheres. No entanto, existe também a hora do acesso que vem das entranhas, a hora da raiva acertada, da fúria legitima”.

O que isso quer dizer para você? Para mim, isso significa que guardar raiva contamina o território e que eliminar a raiva é matar dentro de mim o sentimento que a alimentava. E assim, buscar a causa original do sentimento e resolver de uma vez por todas. Eliminando do meu ser a água turva, fazendo a limpeza da água, a transformando em agua límpida e trazendo vida as árvores secas que logo reagem e brotam os bons frutos da ação assertiva.

Vejo que estamos num momento bem propício para essa atitude. Sim, sempre é tempo para fazer uma limpeza no coração. Mas aproveitando a força de renovação do universo, fortalecemos a nossa natureza com a natureza universal. Entramos em conexão com a natureza criadora, nossa Mãe Terra, e nos preparamos para uma primavera de boas colheitas. Quem se habilita?!

Vamos juntas! Toda caminhada começa no primeiro passo, como diz uma canção ....

Gratidão pela partilha!

Beijos,



33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo